domingo, 18 de fevereiro de 2018

DEVER DE CASA: KIERKEGAARD - 9° ANO EF

COLÉGIO MAGNUM AGOSTINIANO
UNIDADE CIDADE NOVA - BELO HORIZONTE - MG
SÉRIE: 9ª ANO EF
DISCIPLINA: FILOSOFIA
PROF. LEONARDO OLIVEIRA DE VASCONCELOS
ATIVIDADE: KIERKEGAARD

QUESTÃO 1- Quais foram as críticas feitas por Kierkegaard à filosofia de Hegel?
QUESTÃO 2- Na filosofia de Kierkegaard, qual é a relação entre possibilidade e angústia?
QUESTÃO 3- Refletindo sobre a pintura.


                                                 Retirantes, pintura de Candido Portinari, 1944. 
                                                 Disponível no Museu de Arte de São Paulo, Brasil.

a) Que impressões a pintura despertou em você? A que elementos da tela essas simples impressões estão associadas?
b) Qual é o estado físico e sentimental dos personagens retratados por Candido Portinari? Você tem ideia da situação de vida das pessoas representadas nessa tela? Qual seria a relação entre essa situação e o título da pintura?
c) Relacione a pintura ao pensamento de Kierkegaard a respeito da vida. 


quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Kierkegaard, o jovem rico e São Francisco de Assis

KierkegaardKierkegaard, o jovem rico e São Francisco de Assis

Muitas foram as controvérsias que marcaram a vida de Soren Aabye Kierkegaard: Sua infância oprimida por um pai atormentado; o rompimento traumático de seu noivado com Regina Olsen; a crítica pesada que fez a igreja e ao clero de seu tempo, não porque desprezava-os, mas porque desejava uma igreja mais cristã.
Em seus escritos, Kierkegaard sugere três estágios para existência humana, entre os quais o homem pode escolher viver, são eles: 1) O Estágio Estético, onde o homem escolhe viver como um espectador, buscando fugir do tédio através dos divertimentos e distrações; 2) O Estágio Ético, onde o homem sai da posição de espectador e , por uma decisão existencial, decide seguir regras universais, que mesmo sendo um estágio melhor do que o primeiro, ainda é insuficiente para uma fé viva e profunda para com Deus; 3) O Estágio Religioso, é neste estágio que o homem se aproxima de Deus, dando o salto, que o filósofo chamou de “salto de fé”.
Como exemplo deste salto de fé, Kierkegaard, em seu livro Temor e Tremor, usa o patriarca Abraão, que estava disposto a obedecer Deus, levando seu filho Isaque para sacrificá-lo, mesmo que isto pudesse ser um absurdo. “Abraão… creu no absurdo.”¹ diz o filósofo. O estágio religioso sempre será algo incompreensivo para aqueles que vivem nos estágios estético ou ético.
abraao_isaqueSaindo da história de Abraão e indo até o tempo de Jesus, vemos nos evangelhos a história de um jovem rico, que vivia a angústia de não ser um homem salvo, pois se aproximando de Jesus, ele pergunta: “O que farei para herdar a vida eterna?”² Jesus percebendo sua angústia, lhe convida a dar um salto de fé, deixando para trás suas riquezas para ser tornar um discípulo seu. Ele porém, ainda preso nos estágios anteriores (estético e ético), prefere continuar vivendo a angústia de um homem não salvo.
O que o jovem rico da época de Jesus não fez, um outro jovem rico do século XII fez, seu nome de batismo era Giovanni, porém seu pai, um rico comerciante, passou a chamá-lo de Francesco (o francesinho), depois de uma viagem que fez a França. O jovem Francesco, ouvindo o evangelho, especialmente a história do jovem rico, decidiu tomar a atitude de abandonar tudo para se tornar um proclamador das Boas Novas. As pessoas passaram a chamá-lo de Francesco de Assis.
Ele viveu de forma, que muitas de sua época não compreenderam, como um mendicante, porém seu exemplo de vida tornou-se admirável para as gerações que o sucederam. Podemos dizer que ele viveu o que Kierkegaard chamou de estágio religioso.
1 – Kierkegaard,Soren. Temor e Tremor, Coleção os pensadores;
2 – Evangelho de Lucas – Cap. XVIII;
Bibliografia:
– Sproul, R.C. Filosofia para Iniciantes. Vida Nova, 2002.
– Foster, Richard. Rios de Água Viva. Editora Vida, 2008.
https://bibliaefilosofia.wordpress.com/tag/tres-estagios-de-kierkegaard/



quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

CAUSAS DA ORIGEM DA FILOSOFIA - TEXTO PARA A 1ª SÉRIE EM

COLÉGIO MAGNUM AGOSTINIANO
UNIDADE CIDADE NOVA - BELO HORIZONTE - MG
ANO: 1ª SÉRIE EM
DISCIPLINA: FILOSOFIA
PROF. LEONARDO OLIVEIRA DE VASCONCELOS
ATIVIDADE: DEVER DE CASA

TEXTO: CAUSAS DA ORIGEM DA FILOSOFIA

Por que os gregos começaram a explicar o mundo de uma forma diferente da explicação mitológica? Em outros termos, o que tornou possível a passagem da cosmogonia à cosmologia?
Há causas para a origem da Filosofia e, agora, vamos analisar algumas delas. Perceba como cada uma delas operou uma mudança significativa no modo de pensar do homem na Antigüidade grega, permitindo a formação de coisas novas como a Filosofia, segundo Jean-Pierre Vernant.

1) Navegações: uma parte considerável da vida dos gregos relacionava-se com o mar, era de onde, por exemplo, conseguiam obter parte significativa de sua alimentação. Vivendo muito no mar, os gregos não encontraram muitos dos monstros marinhos narrados pela história oral e nem vivenciaram seres e histórias narradas por poetas. Assim, as navegações contribuíram para o que Max Weber chamou mais tarde de “desencantamento do mundo”. Fazia-se necessário um saber que explicasse os fatos ocorridos na natureza que não recorresse a histórias sobrenaturais.

2) Calendário e moeda: viver podendo pensar o tempo abstratamente e quantificando valores para realizar trocas não é algo que sempre ocorreu na história da humanidade. Quando os gregos passaram utilizar o calendário e a moeda, introduzida pelos fenícios, conseguiram abstrair valores como símbolo para as coisas, fazendo avançar a capacidade de matematizar e de representação. Tudo isso favoreceu um desenvolvimento mental muito significativo e com grande capacidade de abstração.

3) Escrita: outro fator que potencializou em grande medida o poder de abstração do homem grego foi transcrever a palavra e o pensamento com símbolos: eis o alfabeto. A escrita permite o pensamento mais aguçado sobre algo quando ficamos lendo e analisando alguma coisa, como, por exemplo, uma lei. Ao ser fixada, a lei fica exposta como um bem comum de toda a cidade, um saber que não é secreto como um saber vinculado ao exercício de um sacerdote, mas propriamente público, além de estabelecer uma nova noção na atividade jurídica, a saber, uma verdade objetiva.

4) Política: esta é a principal causa para a origem da Filosofia (e da Ética), já que, até agora, vimos somente a contribuição das técnicas para isso; porém, havia mais recursos técnicos no Oriente que na Grécia, e a Filosofia é uma invenção genuinamente grega, além do Oriente não ter se libertado dos mitos. Note que a palavra política é formada pelo termo grego pólis, cujo significado é cidade, cidade-estado, conjunto de cidadãos que vivem em um mesmo lugar e uma mesma lei. E o mais importante: são os cidadãos que faziam suas próprias leis mediante uma assembléia. Esta prática teve início com os guerreiros que, juntos, discutiam o melhor modo de vencer ao inimigo, cada um dos guerreiros tinha o direito de falar, bastando para isso ir ao centro do círculo formado na assembléia; ao final da guerra, outras assembléias eram feitas para dividir o que foi ganho. Isto é, ocorre a prática do diálogo para a decisão, dando a todos o direito de falar e a condição de serem iguais uns aos outros e à lei partilhada entre eles. Aquele que conseguir convencer a maioria de que sua proposta é a que aproxima-se mais da verdade de como vencer aos inimigos, receberá maior número de votos. Ora, é esta a prática que o filósofo adotou mais tarde: escrevendo ou discursando, tornava pública suas idéias por considerá-las verdadeiras, por pretender encontrar a harmonia perdida do debate entre opiniões divergentes. Debater, trocar opiniões, argumentar, eis a prática democrática, eis a prática filosófica. A Filosofia nasce como uma filha da pólis, como uma filha da democracia.
Eis o que Jean Pierre Vernant chamou de um “universo espiritual da pólis”[1]: trata-se de um lugar com proeminência da palavra - a palavra aberta a todos e com igualdade no seu uso era o modo de fazer política; com publicidade - separação entre questões privadas e questões públicas, estabelecendo práticas abertas e democráticas em oposição aos processos secretos; com isonomia – todos eram iguais no exercício do poder e diante das leis que criaram. Além disso, este novo universo espiritual esteve acompanhado e propiciou uma “mutação mental”[2] nos homens: agora era possível explicar o mundo abstratamente excluindo o sobrenatural.
Este novo “universo espiritual da polis” foi determinante para a origem da Filosofia. O que falta sabermos, agora, é porque só algumas pessoas tornaram-se filósofos, e não todas.

[1] VERNANT, Jean-Pierre. As Origens do Pensamento Grego. Tradução de Ísis Borges B. da Fonseca, Rio de Janeiro, 11° edição, 2000, p. 41.
[2] ______. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de Psicologia Histórica, p. 453.


RESPONDA NO CADERNO

QUESTÃO 1. Explique como as navegações contribuíram com uma mudança no modo de pensar dos homens da Antigüidade Grega.

QUESTÃO 2. Expliquem como a moeda e o calendário contribuíram para o despertar da filosofia.

QUESTÃO 3. a) Por que a política é a principal causa para a origem da Filosofia na Antiguidade Grega?
           b) Relacione as práticas de guerra com o nascimento da democrática.

QUESTÃO 4. O que escritor Jean-Pierre Vernant entende por um novo “universo espiritual da pólis”?

QUESTÃO 5. As navegações, o calendário e a moeda, a escrita e a política contribuíram com a mudança no modo de pensar dos homens na Antiguidade Grega.
Você considera que, hoje, a informática, com a virtualidade, pode está mudando o nosso modo de pensar? Explique.

Pensamentos

"Conhece a ti mesmo." Sócrates --"A linguagem é a morada do Ser." Heráclito -- "O homem é a medida de todas as coisas." Protágoras -- " Penso, logo existo. " René Descartes -- " O Mundo é minha representação sobre ele. " Artur Schopenhauer -- " Ai ai, o tempo dos pensadores parece ter passado! " Soren Kierkaard -- "Sobre aquilo que não pode ser dito deve se calar.” Ludwig Wittgenstein -- "O Ser é um horizonte de possibilidades." Martin Heidegger -- "A essência precede a existência." Jean Paul Sartre -- " A esperança floresce senão sobre o solo do desespero. " Gabriel Marcel "A razão e a sabedori falam. O Erro e a ignorância gritam." Sto. Agostinho "A melhor lição é o exemplo." Sto. Agostinho