quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

DEVER DE CASA - N°1 - FEVEREIRO - 1ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MAGNUM AGOSTINIANO
UNIDADE CIDADE NOVA - BELO HORIZONTE - MG
DISCIPLINA: FILOSOFIA
PROF. LEONARDO OLIVEIRA DE VASCONCELOS
ANO: 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO
DEVER DE CASA (N°1 - MÊS REFERÊNCIA: FEVEREIRO)

QUESTÃO 1. (PROBLEMATIZANDO) O retorno da Filosofia às escolas sinaliza para novos tempos, para um novo saber, uma nova atitude. Como você avalia a importância e a necessidade da Filosofia na escola e no cotidiano de nossas vidas?

Texto: “Aprender a duvidar”

        Tudo se submeterá ao exame da criança [e dos jovens] e nada se lhe enfiará na cabeça por simples autoridade e crédito. Quem nenhum princípio, de Aristóteles, dos estoicos ou dos epicuristas, seja seu princípio. Apresentem-se-lhes todos em sua diversidade e que ele escolha se puder. E se não o puder fique na dúvida, pois só os loucos têm certeza absoluta de sua opinião.
        “Não menos que saber, duvidar me apraz,” afirma Dante [...] A verdade e a razão são comuns a todos e não pertencem mais a quem as diz primeiro do que ao que as diz depois. Não é mais segundo Platão, do que segundo eu mesmo, que tal coisa se enuncia, desde que a compreendamos. [...] O proveito de nosso estudo está em nos tornarmos melhores e mais avisados. É a inteligência que vê e ouve; é a inteligência que tudo aproveita, tudo dispõe, age, domina e reina. Tudo o mais é cego, surdo e sem alma. Certamente tornaremos a criança servil e tímida se não lhe dermos a oportunidade de fazer algo por si. [...] Saber de cor não é saber: é conservar o que se entregou à memória para guardar. Do que sabemos efetivamente, dispomos sem olhar para o modelo, sem voltar os olhos para o livro. Triste ciência a ciência puramente livresca. Que sirva de ornamento, mas não de fundamento, como pensa Platão, o qual afirma que a firmeza, a boa-fé, a sinceridade são a verdadeira filosofia. [...]
        Que a consciência e a virtude brilhem em, suas palavras e que só a razão tenha por guia. Elas lhe ensinarão a compreender que confessar o erro que descobriu em seu raciocínio, mesmo que ninguém o percebe, é prova de discernimento e sinceridade, qualidades principais a que se deve aspirar. Teimar e contestar obstinadamente são defeitos peculiares às almas vulgares, ao passo que voltar atrás, corrigir-se, abandonar sua opinião errada no ardor da discussão, são qualidades raras, das almas fortes e dos espíritos filosóficos. [...]
        Posto que a filosofia é a ciência que nos ensina a viver e que a infância como as outras idades dela podem tirar proveito, por que motivo não lha comunicaremos? [...] Buscai nela, Jovens e velhos, um objetivo para o vosso espírito; um alimento (sentido e esperança) para quando estiveres ancião. “Por moço que seja, que ninguém se recuse a praticar a filosofia, e que os velhos não se cansem dela”. Quem procede de outro modo parece dizer que ainda não é tempo de viver feliz, ou que já o não é. [...]
        Para nosso jovem, em toda parte estudará filosofia, que será sua principal matéria de estudo; como formadora da inteligência e dos costumes, tem o privilégio de se misturar a tudo. [...] Só a filosofia, na parte em que trata do homem, seus deveres e obrigações não deveria ser recusada nem nos festins nem nos jogos como assunto de conversação. E essa é a opinião de muitos sábios. [...]
       “Graças a Deus”, diz alguém em Platão, “filosofar não é nem muito aprender nem tratar das artes”, “foi muito mais nos costumes do que nos escritos que os filósofos aprenderam a maior de todas as artes: a de bem viver”, diz Cícero.

MONTAIGNE, Michel de. Ensaios. Livro I. Cap. XXVI. Tradução de. Sérgio Milliet. São Paulo: Novas cultural ,1991. P. 75-83 (Os pensadores). (Fragmento)


QUESTÃO 2. (QUESTÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTO)

Leia o fragmento a seguir.

“Tudo se submeterá ao exame da criança [e dos jovens] e nada se lhe enfiará na cabeça por simples autoridade e crédito. Quem nenhum princípio, de Aristóteles, dos estoicos ou dos epicuristas, seja seu princípio. Apresentem-se-lhes todos em sua diversidade e que ele escolha se puder. E se não o puder fique na dúvida, pois só os loucos têm certeza absoluta de sua opinião.”

                                                                      MONTAIGNE, Michel de. Ensaios. Livro I. Cap. XXVI.

Com base nesse fragmento e em outras informações sobre o texto de Montaigne, explique a nova inteligência que a filosofia se propõe a construir.

       Texto: O que é Filosofia?
       
       [...] Pedimos somente um pouco de ordem para nos proteger do caos. Nada é mais doloroso, mais angustiante do que um pensamento que escapa a si mesmo, ideias que fogem, que desaparecem apenas esboçadas, já corroídas pelo esquecimento ou precipitadas em outras, que também não dominamos. [...] É o instante que não sabemos se é longo demais ou curto demais para o tempo. E por isso que queremos tanto agarrarmo-nos a opiniões prontas... como um "guarda-sol" que nos protege do caos [...]
       Mas a arte, a ciência e a filosofia exigem mais: traçam planos sobre o caos. Essas três disciplinas não são como as religiões, que invocam dinastias de deuses, ou a epifania (manifestação) de um Deus único, para pintar sobre o guarda-sol um firmamento, como as figuras de uma Urdoxa (crença originária, certeza da crença) de onde derivariam nossas opiniões. A filosofia, a ciência e a arte querem que rasguemos o firmamento e que mergulhemos no caos. Só o venceremos a este preço.

                                                             DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia?  
                                                                   34.ed. Rio de Janeiro, 1992. p.259-261. (Fragmento)


QUESTÃO 3. (QUESTÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTO)

Após a leitura do texto de Deleuze e Guattari: “O que é Filosofia?”, justifique a afirmativa que segue:

“A filosofia, a ciência e a arte querem que rasguemos o firmamento e mergulhe-mos no caos. Só o venceremos a este preço”.

Pensamentos

"Conhece a ti mesmo." Sócrates --"A linguagem é a morada do Ser." Heráclito -- "O homem é a medida de todas as coisas." Protágoras -- " Penso, logo existo. " René Descartes -- " O Mundo é minha representação sobre ele. " Artur Schopenhauer -- " Ai ai, o tempo dos pensadores parece ter passado! " Soren Kierkaard -- "Sobre aquilo que não pode ser dito deve se calar.” Ludwig Wittgenstein -- "O Ser é um horizonte de possibilidades." Martin Heidegger -- "A essência precede a existência." Jean Paul Sartre -- " A esperança floresce senão sobre o solo do desespero. " Gabriel Marcel "A razão e a sabedori falam. O Erro e a ignorância gritam." Sto. Agostinho "A melhor lição é o exemplo." Sto. Agostinho