quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

9° ANO - DEVER DE CASA - N° 1 - FEV/ 2013

COLÉGIO MAGNUM AGOSTINIANO
UNIDADE CIDADE NOVA - BELO HORIZONTE - MG
SÉRIE: 9° ANO - ENSINO FUNDAMENTAL
DISCIPLINA: FILOSOFIA
PROF. LEONARDO OLIVEIRA DE VASCONCELOS
ATIVIDADE: DEVER DE CASA - N° 1 (FEVEREIRO 2013).

O MITO (PÁG. 27 DO BLOCO DE ATIVIDADES - 9° ANO EF)


Leia o texto e responda as questões.


     Nasci e me criei numa pequena cidade do interior mineiro.
    Acordava cedo para ver o nascer do sol e sentir o cheiro da relva fresquinha da manhã. Acompanhava as enxurradas após as chuvas, com a calça dobrada até o joelho, tentando alcançar o arco-íris e seu pote de ouro... Caía das árvores, pegava goiaba no quintal do vizinho, tentava adivinhar o formato das nuvens, pulava cerca, fogueira, ganhava palmada, puxão de orelha.Vestia-me de anjo nas coroações de maio, brincava de pique, de roda, de pular corda, de amarelinha...
     Tive baile de formatura, participei das paradas de 7 de setembro, me vesti de índio, de bruxa, de camponesa, de princesa e, no Natal, arrumava a mesa de guloseimas para o Papai Noel e dormia bem cedo, após ter visitado todos os presépios da cidade vestia de pastorinha.
    Esses instantes mágicos são minhas lembranças mais preciosas; são sonhos que acumulei como todas as crianças da cidade; são minhas referências.
    Nos momentos difíceis, a luz daquelas manhãs e o cheiro do mato molhado me deixam mais tranquila...
    A pastorinha, o anjo, o baile de formatura, cada fogueira que pulei são vitórias que acumulei e que denunciam, sempre que preciso, o ser humano criativo, capaz de encontrar uma saída.
    A palmada, o puxão de orelha, os papéis que representei são referências necessárias para os momentos em que me sinto grande demais e preciso ser pequena. E a esperança do Papai Noel e o pote de ouro do arco-íris tornaram-se lembranças para os momentos em que me sinto pequena demais e ao mesmo tempo preciso ser grande.
    É partindo dessas experiências, da magia dessas referências, que crio meus conceitos de liberdade, de sociedade, de vida. 
Autora: Fátima Amorim.

RESPONDA:


1. O texto citado refere-se a uma forma de conhecimento intuído, que resgata o mágico, o sonho. Esse tipo de conhecimento denomina-se:


(   ) Filosofia                (   ) Mito


(   ) Senso comum      (   ) Religião


2.  Cite uma função do mito.

3.     “A força do mito, apesar dos elementos fantasiosos, é oferecer um significado ou “sentido”, ao existir humano”. Retire do texto uma frase que ilustre essa afirmação.

4.     Cite alguns elementos míticos contidos no texto.

5.     Procure o significado do termo “intuição” no dicionário e explique a frase: “O mito é uma verdade intuída”. 


6.     Apesar da ruptura e da fragmentação do pensamento mítico, ele não morreu. Está presente no homem moderno. Cite três elementos que demonstrem a presença e a força do mito na nossa época. 


7.     Explique: “O enfraquecimento da morte é o que faz do homem comum um herói, um santo, um revolucionário, um artista.” 


8.    Na maior parte dos exemplos de heróis ou ídolos de uma época, percebemos que o grande marco de suas obras situa-se em valores especiais como liberdade, força ou coragem. Como você explica a atração ou força que “esses valores” provocam nas pessoas?

Pensamentos

"Conhece a ti mesmo." Sócrates --"A linguagem é a morada do Ser." Heráclito -- "O homem é a medida de todas as coisas." Protágoras -- " Penso, logo existo. " René Descartes -- " O Mundo é minha representação sobre ele. " Artur Schopenhauer -- " Ai ai, o tempo dos pensadores parece ter passado! " Soren Kierkaard -- "Sobre aquilo que não pode ser dito deve se calar.” Ludwig Wittgenstein -- "O Ser é um horizonte de possibilidades." Martin Heidegger -- "A essência precede a existência." Jean Paul Sartre -- " A esperança floresce senão sobre o solo do desespero. " Gabriel Marcel "A razão e a sabedori falam. O Erro e a ignorância gritam." Sto. Agostinho "A melhor lição é o exemplo." Sto. Agostinho